Autor: super-admin

Babosa: benefícios, como usar e para que serve

A babosa, ou aloe vera, é uma importante planta medicinal e possui diversos benefícios

Aloe vera e Aloe succotrina são espécies da planta conhecida popularmente como babosa, utilizada desde a antiguidade para fins medicinais e de beleza, oriunda do norte da África. Cerca de 6 mil anos atrás, os egípcios chamavam a aloe vera de “planta da imortalidade”. A babosa é muito conhecida por suas propriedades calmantes, cicatrizantes, anestésicas, antitérmicas e anti-inflamatórias, além de ser ótima para hidratar cabelos. Confira aqui a lista de benefícios que essa planta pode trazer, mas, antes disso, fique atento:

A Anvisa não libera a comercialização de sucos ou outros alimentos industrializados contendo Aloe vera. Segundo o parecer técnico da agência, faltam evidências científicas que comprovem a segurança da ingestão de babosa e há relatos de reações adversas. Além disso, não há um padrão na composição dos produtos alimentares a base de Aloe vera, pois existe grande diversidade na forma de plantação, cultivo e extração do gel da babosa. O uso tópico, em cosméticos e aplicações externas, é liberado.

Estudos posteriores, com revisão da literatura acadêmica sobre a babosa, apontam a necessidade de novas pesquisas, já que há fontes que indicam tanto benefícios quanto riscos do consumo de babosa. Em todos os casos, o maior risco parece estar no consumo de produtos industrializados que contêm babosa (ou dizem conter, já que há registros de produtos adulterados que se diziam à base de babosa) – além disso, há pessoas que apresentam sensibilidade.

Sempre lembrando que, se você tiver suspeita ou um problema sério, consulte uma médica ou médico e, dependendo do caso, converse a respeito da possibilidade de usar babosa ou algum produto feito com a planta.

Benefícios da babosa
Babosa para pele
A aloe vera tem o poder de proporcionar relaxamento e acelerar a cura de problemas de pele como a acne, erupções cutâneas, feridas, cortes e arranhões e picadas de inseto.

Prisão de ventre
A babosa ajuda na prisão de ventre e em constipações intestinais, pois possui propriedades laxantes devido ao látex encontrado no gel da planta.

Apetite sexual
Por ser uma fonte rica de energia, a babosa aumenta o apetite sexual.

Combate o câncer de pele
A babosa já mostrou efeitos positivos relacionados à cura do câncer de pele e pesquisas mostram a presença de propriedades anti-cancerígenas na planta.

Baixa a febre
A planta possui um efeito antitérmico e reduz a temperatura do corpo febril quando é ministrada em uma compressa.

Como usar babosa no cabelo?
A babosa no cabelo ajuda protegê-los como se fosse um protetor solar, cuidando do couro cabeludo contra os raios UV. Também evita danos cotidianos causados por clima seco, vento, chuva e oleosidade, deixando o cabelo mais sedoso e brilhante.

Elimina as caspas
Serve no tratamento de caspas e seborreias que atingem o couro cabeludo – para isso é preciso lavar o cabelo com o gel do aloe vera ou usar produtos que contenham a babosa como ingrediente.

Reduz queda de cabelo
Além de reduzir a queda de cabelo, a babosa pode até evitar a queda completamente.

Como usar babosa no cabelo?
Para utilizar babosa no cabelo basta cortar a folha da babosa lateralmente, retirar o gel e aplicar diretamente no cabelo.

Uso medicinal da babosa
Trata queimaduras solares
Pode tratar, prevenir ou curar queimaduras solares e é inclusive encontrada em produtos para tratar queimaduras e em protetores solares. Em dúvida sobre o que passar em queimadura de sol? Conheça remédios caseiros e naturais.

Reduz a celulite
Aliada a uma dieta e exercícios, a babosa pode reduzir a celulite.

Trata gripes e resfriados
Por conter propriedades antibióticas, a babosa pode ajudar no tratamento de gripes, resfriados, asma, bronquite e rinite.

Leia também: Babosa para o cabelo

Babosa para pele
A babosa na pele atua como um hidratante natural, que deixa a pele mais bonita e previne o envelhecimento.

Combate dores musculares
A babosa tem função anestésica, anti-inflamatória e cicatrizante, uma compressa de babosa pode aliviar dores musculares, dores ósseas, enxaqueca, artrite e reumatismo.

Melhora a saúde digestiva
Por conter ácidos graxos, a planta reduz o inchaço e a irritação do estômago, intestino delgado e cólon, suas propriedades anti-ácidas auxiliam e previnem a indigestão.

Melhora a imunidade do organismo
A planta aumenta a produção de linfócitos T e melhora a imunidade do organismo, ajudando a combater infecções.

Alivia problemas bucais
A polpa da babosa alivia feridas como aftas, gengivites e estomatites.

Controla o colesterol
Tem uma função ativadora da circulação sanguínea, removendo o excesso de gordura das artérias e ajudando a controlar os níveis de colesterol.

Para que serve a babosa?
Ainda em dúvida sobre os benefícios que a babosa pode trazer para o seu dia a dia? Selecionamos mais algumas formas de usar a babosa como remédio natural:

Contra pedra nos rins
A babosa tem ação desintoxicante e elimina as toxinas, ativando as funções dos rins e do fígado.

Relaxante para o corpo
A planta possui propriedades anestesiantes que relaxam os músculos da cabeça – na hora de lavar os cabelos com babosa é só massageá-los, não esquecendo de massagear também o couro cabeludo para obter um efeito antiestresse.

Emagrece
A babosa contém propriedades depurativas e pode ajudar na perda de peso, mas apenas se estiver aliada a uma dieta balanceada e à prática de exercícios. Confira uma receita de suco de babosa e veja uma lista com dez exercícios para fazer em casa ou sozinho.

Antirrugas natural
O gel da babosa é um ótimo hidratante natural que pode ser utilizado na pele e serve também como antirrugas.

Alivia a irritação cutânea
O gel da babosa alivia a irritação cutânea após depilações com cera ou lâminas.

Cicatrização
Utilizar babosa faz com que as feridas cicatrizem mais rápido, assim como espinhas e acnes.

Alivia a dor de cabeça
O gel da babosa e algumas gotas de óleo essencial de menta aplicados nas têmporas e na nuca com movimentos circulares aliviam as dores de cabeça.

Gostou e quer saber como usar? Dê uma olhada na matéria: ” Como usar babosa para diversos fins”.

Contraindicações
Não há contraindicações sobre o uso externo da babosa e qualquer pessoa pode utilizá-la, inclusive crianças. Só há problemas em casos de alergia, o que também é muito raro. Já a ingestão de aloe vera é contraindicada para crianças, mulheres grávidas e durante a amamentação, para pessoas que tenham inflamação no útero e no ovário, hemorroidas, fissuras anais, varizes, pedra na bexiga, cistite, disenterias, nefrite, apendicite e prostatite. A Anvisa proíbe a comercialização de produtos com babosa para consumo. Algumas pessoas podem sentir efeitos colaterais como cólicas e diarreia – se começar a sentir estes sintomas, interrompa o uso da babosa imediatamente e procure ajuda méica.

Dieta Low-Carb: O que É, e Qual A Melhor Opção Para Você

Só existe risco quando você não sabe o que está fazendo”
Pode parecer estranho começar um texto sobre alimentação com uma frase de um renomado investidor do mercado financeiro.

Porém, podemos entender sua relação com Dieta Low-Carb ao saber a exata maneira como Buffet construiu sua reputação (e sua bilionária fortuna):

De maneira bem resumida, ele estudava os princípios e fundamentos de cada empresa em que decidia investir, e seguia investindo nessas mesmas empresas – isto é, no que estava funcionando – ao longo dos anos.

Então, perceba que ele ficou rico não adotando medidas mirabolantes a cada verão – em vez disso, atingiu seus objetivos porque seguiu alguns princípios consistentemente ao longo de anos.

Coloque seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog

seu melhor email aqui…
Hoje nós vamos ver tanto como a escolha dos princípios e fundamentos certos quanto como a consistência nas ações podem se aplicar a você – e como essas mesmas qualidades podem te ajudar a emagrecer com saúde.

Porém, antes de mergulharmos nos estudos e aprendemos a maneira exata de perder peso e ganhar saúde com uma dieta low-carb, vamos responder uma pergunta que tem sido feita com frequência: Seria a dieta low-carb a mais recente “dieta da moda”?

Dieta Low-Carb: A Dieta Da Moda?

Apesar da Dieta Low-Carb ser utilizada desde o século XIX para ajudar a tratar condições de obesidade, sobrepeso e outras associadas, recentemente ela voltou a tomar os holofotes da mídia.

E é interessante notar como um dos primeiros registros escritos sobre o assunto – a Carta Sobre a Corpulência, de William Banting (disponível neste link na tradução de Hilton Souza) – foi publicada em 1864, mais de cem anos antes das diretrizes de alimentação atuais tomarem forma.

Curioso também perceber como essa modalidade de alimentação ficou relativamente “sem popularidade” (não que ela não fosse seguida – mas sim porque não era foco de atenção) até que o Doutor Robert Atkins escrevesse seu famoso livro, A Dieta Revolucionária do Dr. Atkins, em 1972.

Todavia, após essa publicação – que foi bastante controversa à época – surgiram muitas outras dietas que atacam o conhecimento “convencional”, como as Dietas Paleo, a Dieta Primal, a Dieta Cetogênica, a Dieta de South Beach (que é incrivelmente parecida com a Dieta Atkins), dentre outras…

E a maior parte delas focava num mesmo ponto:

Precisamos parar de comer tantos carboidratos refinados.”

Relacionado: Baixe grátis cardápio exemplo de 7 dias da dieta Low-Carb

Somam-se a isso as evidências observadas por Weston Price, um dentista que viajou o mundo documentando hábitos alimentares de populações inteiras.

E o que ele notou foi algo assustador.

Ele viu que diversas populações, previamente isoladas e sem acesso a alimentos industrializados, não apresentavam graus elevados de incidência de doenças crônicas do mundo ocidental – como diabetes, obesidade, síndrome metabólica, cáries e muito mais.

Porém, após mudarem suas alimentações tradicionais para uma dieta tipicamente ocidental, abundante em carboidratos processados, começaram a sofrer desses mesmos males.

E trago esse ponto porque ele deixa claro que o modo de se alimentar dessas populações era tudo menos “da moda”.

Na verdade, seu caso era exatamente o contrário: elas se alimentavam da mesma maneira há milhares de anos. Seguiam a exata dieta dos seus ancestrais – uma alimentação mais natural e mais saudável.

E, coincidentemente ou não, essa dieta tendia a ser pobre em carboidratos – ou, como chamamos atualmente, uma dieta low-carb.

Mas o que É Uma Dieta Low-Carb?

Não existe um consenso ou uma definição 100% clara sobre o que seria uma dieta low-carb.

Traduzindo literalmente, uma dieta Low-Carb é uma dieta com algum tipo de restrição ou contenção na quantidade de carboidratos ingeridos. Porém, a questão pode ser mais sutil do que parece.

Algumas dietas famosas por terem auxiliado milhares de pessoas a emagrecer e lidar com problemas de insulina são as dietas Atkins, Dieta Paleo Low-Carb, Dieta Cetogênica e Dieta Slow Carb.

E, apesar de suas diferenças, algo que todas essas dietas têm em comum é o fato de restringirem em alguma medida a ingestão de carboidratos.

Porém, quanto e como carboidrato comer, e de quais fontes comer são pontos controversos e distintos entre elas – e que abordaremos em poucos instantes.

Antes disso, vamos tentar responder a mais uma questão: por que alguém faria uma dieta Low-Carb?

Por que Tantas Pessoas Estão Fazendo Dieta Low-Carb?

Basicamente, podemos dizer que as pessoas estão cada vez mais adotando a dieta low-carb porque se adaptam a ela.

E porque para essas pessoas a dieta “funciona”, isto é, as ajuda a atingir seus objetivos.

E os dois principais objetivos que uma dieta low-carb ajuda a atingir (por serem os dois objetivos mais buscados por quem inicia esse estilo de alimentação) são:

#1 – Tratar/curar doenças crônicas como diabetes e gordura no fígado; e

#2 – Emagrecer com saúde.

Além de cumprir esses dois objetivos, a dieta low-carb traz vários benefícios auxiliares, como a melhora da sensibilidade à insulina, e uma maior saciedade (isto é, é uma dieta em que você não passa fome), por exemplo.

Relacionado: conheça 6 benefícios das dietas low-carb comprovados pela ciência

Então, neste exato momento, se você é alguém que deseja viver uma vida mais plena e com mais saúde, deve estar interessado em entender por que a dieta low-carb ajuda a prevenir e tratar doenças assassinas como a diabetes e a esteatose hepática (gordura no fígado).

Por isso, sugiro que separe alguns minutos para ler este texto que escrevemos sobre como a alimentação pode ser utilizada para tratar (e até mesmo, em alguns casos, reverter) essas doenças.

Porém, caso o seu interesse seja emagrecer com dieta low-carb, então sugiro que continue lendo.

Porque vamos abordar esse assunto em profundidade agora, e ao terminar a leitura deste texto você será capaz de entender exatamente qual dieta low-carb pode funcionar melhor para você, e como ela vai te ajudar a emagrecer e nunca mais engordar.

Como a Dieta Low-Carb Ajuda a Emagrecer

[Se você já está familiarizado com dietas low-carb, pode pular esta seção e ir direto para as vertentes. Caso não esteja, vai gostar muito de saber por que as Dietas Low-Carb funcionam tão bem para emagrecer.]

Como disse anteriormente, uma grande causa da alimentação low-carb funcionar para proporcionar o emagrecimento é o fato de você ter saciedade na dieta, e não passar fome.

Isso surpreende a maioria das pessoas, porque elas associam dieta a controlar porções e passar fome. E esse equívoco não é culpa delas!

Afinal, sempre ouvimos que é necessário comer poucas calorias e fazer exercícios como um louco para emagrecer.

Mas a verdade é que você não precisa e não deve passar fome na dieta.

Pelo contrário, as dietas low-carb te incentivam a comer sempre até a saciedade.

(E seguimos este princípio no nosso Cardápio Low-Carb.)

Depois, quando tiver fome, coma novamente. E, se não tiver fome, não coma.

Simples assim, nada de intervalos restritos (como a bobagem de comer de 3 em 3 horas) e nem fome – apenas escute o que seu corpo diz.

O fato de estar “cheio” vai ser primordial, já que assim você terá muito menos motivos para comer porcarias entre as refeições.

(E isso te ajuda a evitar a ingestão de calorias inúteis que você colocaria para dentro quando sentisse aquela fome fora de hora.)

Além disso, não passar fome é importante também psicologicamente – afinal, por quanto tempo você aguenta ficar numa dieta na qual você está com fome o tempo todo?

Provavelmente não muito. Você pode até emagrecer um pouco, mas de uma maneira que não é sustentável.

Aí volta a comer um pouco a mais e engorda tudo de novo em um curto espaço de tempo (até porque restringir demais as calorias certamente irá diminuir seu metabolismo, ou seja, você entrará no temido efeito sanfona).

Sendo assim, saiba que comer pouco é um dos erros mais comuns em quem inicia low-carb.

Então coma bastante, sempre até estar saciado!

E passe longe da ideia de contar calorias – deixe que a alimentação low-carb cuide disso para você.

Mas a saciedade não é somente provocada porque você pode comer o quanto quiser, mas sim por causa dos alimentos permitidos e dos proibidos nas dietas low-carb.

Isso porque em qualquer low-carb o foco é em comer menos alimentos processados, menos farinha de trigo e menos açúcar refinado.

Isso faz parte do processo de reduzir os carboidratos (que são macronutrientes rapidamente digeridos pelo nosso corpo não te dando saciedade por muito tempo) e que elevam os níveis de glicose no sangue.

Ao mesmo tempo, o consumo de gorduras e proteínas é incentivado, sendo que estes macronutrientes proporcionam grande saciedade, como falamos acima.

A ideia é que você não tenha medo de comida de verdade, ou seja: coma frango com pele, carne com gordura e ovo com gema.

Seu corpo, com o passar do tempo, vai aprender a tirar energia das gorduras dos alimentos, deixando de armazená-la em seu tecido adiposo e passando a queimá-la como energia.

Sendo que, em casos de restrições extremas de carboidratos (menos de 10% das calorias diárias), seu corpo até chega a entrar em um estado chamado de cetose, que proporciona grande queima de gordura e é capaz de melhorar até mesmo quadros clínicos como epilepsia – falamos mais sobre a cetose aqui.

Lembra que falamos que era importante você fazer como o Warren Buffet e escolher uma dieta baseada em princípios e fundamentos certos?

Claramente, uma dieta low-carb atende a esses requisitos.

No entanto, não podemos nos esquecer do outro fator de sucesso de Buffet como investidor: adotar sempre uma grande consistência em suas ações.

Então, a seguir vamos ver as principais vertentes low-carb.

Alguma delas provavelmente vai funcionar melhor para você (tanto em termos de resultados quanto na facilidade de ser seguida no seu dia a dia).

Porém, o importante é que você seja consistente: escolha uma delas, e sinta-se à vontade para permancer com ela caso essa variação funcione para você.

Dito isso, vamos ver agora as principais vertentes da dieta low-carb, para que você possa iniciar o quanto antes essa nova fase da sua vida, com muito mais saúde.

[Relacionado] Aprenda a montar seu próprio menu low-carb baseado em uma lista de compras grátis.

Low-Carb: Estilos e Variações

Após definirmos o conceito de uma alimentação low-carb, ou seja, a baixa ingestão de carboidratos, vamos falar mais sobre as variações mais comuns nesse estilo de vida.

Claro que você não precisa se apegar a nomes para sua alimentação e nem se apegar à palavra “dieta” ao iniciar sua nova vida saudável.

Porém, achamos interessante citar e diferenciar as dietas low-carb mais comuns e utilizadas, até porque muita gente prefere se apegar a regras e diretrizes para ter mais facilidade em seguir uma dieta e assim emagrecer.

No Senhor Tanquinho falamos sobre as seguintes vertentes:

Dieta Atkins
Dieta Keto ou Cetogênica
Dieta Paleo/Primal
Dieta Slow Carb
Dieta Low-Carb
Em termos gerais, podemos ressaltar algumas diferenças bem relevantes para o dia-a-dia de quem inicia alguma delas.

Por exemplo: A dieta Atkins é a única dividida em fases, a dieta Slow Carb incentiva a prática do Dia do Lixo, a Cetogênica (ou keto) é a mais restrita em carboidratos e a Paleo foca sempre na ingestão de comida de verdade.

Vamos saber mais sobre cada uma delas abaixo.

Atkins

A dieta Atkins foi a primeira que trouxe o conceito de low-carb de volta para o grande público, em meados dos anos 70. Idealizada pelo médico americano Robert Atkins, ela apresenta 4 fases distintas e uma regra principal para todas elas: limitar a quantidade máxima de carboidratos líquidos ingeridos por dia.

A ideia é começar com uma grande restrição de carboidratos (ingerindo no máximo 22 g de carbs líquidos por dia, de modo a tentar induzir cetose em seus praticantes) e ir aumentando essa quantidade a cada vez que se muda a “fase” da dieta – algo que acontece conforme seu peso vai diminuindo.

Para ler mais sobre a dieta Atkins e suas regras e fases, clique aqui.

Cetogênica (Keto)

Aproveitando que tocamos no assunto cetose, podemos falar um pouco sobre a chamada dieta Cetogênica (ou dieta cetônica ou dieta do cetônico).

Os benefícios dessa dieta foram descobertos inicialmente por médicos que buscavam uma alternativa para o tratamento da epilepsia, e forneceram uma alimentação super restrita em carboidratos.

Ao mesmo tempo em que foi observada uma diminuição dos sintomas da doença, os pacientes tratados também apresentaram uma considerável perda de gordura corporal.

A ideia nessa dieta é induzir o corpo a um estado chamado de cetose, no qual seu organismo queima corpos cetônicos como forma de energia (leia mais sobre isso clicando aqui).

Para tanto, é necessário que haja uma alimentação focada em maximizar a ingestão de gorduras e diminuir ao máximo ao carboidratos.

Idealmente a proporção diária de macronutrientes (em calorias) seria algo como:

60% – 70% de gorduras / 20% – 30% de proteínas / 5-10% de carboidratos líquidos.

Existem dois pontos sobre a dieta cetogênica e a cetose que devemos citar num comparativo entre dietas low-carb.

#1) Para induzir a cetose nutricional, além de fatores que variam de pessoa para pessoa (como idade, sexo, metabolismo, etc…), é necessária uma baixíssima ingestão de carboidratos (que, para muitas pessoas, é de cerca de 20-30 gramas ou menos). Portanto, outras dietas low-carb, como paleo, slow carb e atkins, também são capazes de te fazer atingir tal estado metabólico.

#2) Não se preocupe em entrar em cetose e foque nos resultados. Muitas pessoas, entusiasmadas por terem encontrado um mecanismo natural que otimiza muito a queima de gordura, acabam se preocupando demais em “entrar em cetose” e procurar seus sintomas.

Porém, esse não deveria ser o foco.

Entrar em estado de cetose por algum período ou outro durante a dieta é totalmente normal e natural – principalmente quando atingido algum platô de peso.

Mas você não precisa focar em estar nesse estado o tempo inteiro (até porque teria que ficar sempre controlando a quantidade de carboidratos ingeridos).

Mais importante do que isso é ver os resultados na balança e nas medidas. Se está emagrecendo e tendo evolução, é isso que importa!

Paleo / Primal

A dieta paleolítica tem suas raízes em uma alimentação similar à existente no período das cavernas, ou seja: foca em comer alimentos naturais e que respeitem o modo como nosso organismo evoluiu para se alimentar.

Obviamente que existem adaptações e comodidades que são incorporadas ao estilo milenar de alimentação (por exemplo, ninguém precisa comer carne e ovos crus), mas a grande ideia dessa dieta é comer o mínimo de alimentos processados, eliminando totalmente o açúcar refinado, o trigo (que pode ser bem prejudicial à saúde) e todos os seus derivados.

Um ponto a se destacar é que a chamada dieta paleo possui inúmeras vertentes – sendo umas mais e outras menos permissivas, incluindo a dieta paleo low-carb que visa o emagrecimento por meio da restrição de carboidratos (como frutas e raízes, alimentos que teoricamente seriam liberados na dieta paleo).

Outra vertente de destaque é a primal, idealizada por Mark Sisson.

Esse modelo alimentar é um pouco mais permissivo porque, apesar de também se basear na alimentação de nossos ancestrais paleolíticos, possui algumas adaptações para torná-la mais gostosa e palpável para os tempos modernos, permitindo alguns outros alimentos como queijos amarelos de alta gordura.

Dessa forma, podemos dizer que as dietas paleo e primal não são necessariamente exclusivas para quem quer emagrecer, mas podem sim serem utilizadas para esse propósito.

Sugiro que leia o artigo completo e exclusivo sobre essa dieta para saber se ela é a ideal para você.

Slow Carb

Criada e difundida por Tim Ferriss em seu livro “4 Horas Para O Corpo”, a dieta slow carb chegou em 2010 com uma proposta de ser uma dieta simples e fácil de ser seguida.

Isso porque apresenta poucas e simples regras: evite carboidratos de alto índice glicêmico (frutas, massas, calorias líquidas) e faça um dia do lixo uma vez por semana.

Uma confusão muito comum envolvendo a dieta para quem está começando a aprender sobre alimentação baixa em carboidratos é confundir os nomes “Slow Carb” e “low-carb”. Porém, os termos não representam a mesma coisa.

“Slow”, do inglês, que dizer devagar ou lento, o que faz referência ao fato de a dieta permitir carboidratos de baixo índice glicêmico, como por exemplo as leguminosas (feijão, lentilha, grão de bico) que são evitadas na dieta paleo, atkins e cetogênica.

Por isso, não necessariamente a dieta Slow Carb é low-carb – isso vai depender da quantidade de leguminosas que você comer.

Já “low” quer dizer baixo, já que nas dietas low-carb os carboidratos são consumidos em pouca quantidade, não importando seu índice glicêmico.

Outra grande diferença da Slow Carb para as outras apresentadas nesse texto (além da permissividade com leguminosas) é que ela incentiva abertamente que você faça um dia do lixo por semana: um dia onde você pode comer tudo o que quiser, o quanto quiser e ainda sim continuar emagrecendo, devido a mecanismos psicológicos e fisiológicos proporcionados por essa prática.

Para finalizar essa seção sobre as dietas, vale dizer que a intenção delas é que, ao final da dieta, você tenha aprendido como se alimentar e consiga controlar seu corpo. Saber qual o limite máximo de carboidratos que seu corpo tolera por dia sem aumentar seu peso, e ainda ter em mente o que deve fazer sempre que, por algum motivo, precise perder peso.

[Sugestão] Confira nosso teste para te ajudar a escolher a melhor dieta low-carb para você – clique aqui.

Dieta Low-Carb

Além das várias vertentes que acabamos que citar, também não podemos esquecer de falar que você pode seguir simplesmente uma dieta low-carb – sem ter que ser enquadrar em alguma específica.

Leia também: comprar E-book 101 Receitas Low Carb

Por exemplo, você não precisa comer tão poucos carboidratos como na cetogênica e ainda sim ser low-carb.

Outro exemplo seria: você pode incluir alguns alimentos processados em sua alimentação, saindo daquilo que chamamos de dieta paleo, e ainda sim ser low-carb.

Fazer uma dieta low-carb significa que você vai comer uma quantidade pequena de carboidratos – de no máximo 70 a 100 gramas de carboidratos líquidos, dependendo do seu objetivo.

Aqui, diferentemente da cetogênica, você não precisa se preocupar com as proporções entre gorduras, proteínas e carboidratos.

E montar seus pratos é uma tarefa muito simples: basta usar a criatividade e misturar os inúmeros alimentos permitidos numa dieta low-carb.

Para te ajudar, criamos uma lista de alimentos permitidos e proibidos na low-carb, clique aqui para baixar gratuitamente sua lista de alimentos low-carb em pdf.

Leia também: Kifina Anvisa

Por outro lado, se você estiver tendo dificuldades para montar suas refeições, também preparamos uma sugestão gratuita de como se alimentar durante 7 dias low-carb em pdf, com 4 refeições por dia.

Mas claro que se trata apenas de uma ideia do que comer e você não precisa sequer fazer 4 refeições no dia caso esteja praticando alguma forma de jejum intermitente.

Leia também: Phytophen Anvisa

Para ler mais sobre como iniciar e ter sucesso numa dieta low-carb, acesse nosso artigo completo sobre o assunto.

Dieta Low-Carb e Contagem de Carboidratos

Se você está iniciando uma dieta low-carb visando principalmente à perda de peso, pode ser muito interessante fazer uma contagem de carboidratos.

Leia também: Farinha seca barriga Anvisa

Isso porque o mecanismo por trás de uma dieta low-carb, conforme explicado anteriormente, é justamente consumir gorduras como fonte principal de energia, ou seja, você vai querer evitar fornecer uma fonte de energia alternativa (carboidratos) para seu corpo.

Inclusive os benefícios relacionados à insulina estão diretamente relacionados com a quantidade de carboidratos ingeridos em um dia. Dessa forma, podemos citar algumas divisões relacionadas a essa quantidade diária de carbs:

Very Low-Carb: baixíssimo consumo de carboidratos, normalmente não ultrapassando os 20-30 gramas diários, o que pode acabar por induzir a cetose. Tal prática é mais adotada por pessoas com bastante peso a perder e/ou grandes distúrbios de insulina, como por exemplo diabéticos do tipo 2. Para maiores detalhes, recomendo que leia o texto sobre Cetose que escrevemos.

Low-Carb: consumo baixo de carboidratos (até uns 50-100 gramas/dia). Cenário menos drástico que o citado acima mas que também proporciona enormes benefícios para a resposta insulinogênica e perda de gordura corporal. Foi nessa variação que pensamos para criar o nosso Cardápio da Dieta Low-Carb que você pode baixar aqui em pdf.

Lower-Carb: nesse caso temos uma dieta com um média restrição de carboidratos, como a Slow Carb, que aceita carboidratos provenientes das leguminosas – e que possuem baixíssimo índice glicêmico. No caso, mesmo tendo mais carboidratos que as low-carb e very low-carb, ela ainda possui muito menos do que a dieta padrão ocidental.

SAD (standard american diet): para fins de comparação, na dieta padrão que nos é imposta desde que nascemos (e incrivelmente apresentada como saudável), os carboidratos constituem a base de sua famigerada pirâmide alimentar. Nesse caso, o consumo de carboidratos é responsável por 60% ou mais das calorias ingeridas, o que representa cerca de 300 gramas de carbs líquidos diariamente, em média.

Mas Senhor Tanquinho, como eu sei quantos carboidratos estou ingerindo diariamente?

Excelente pergunta! Até porque, sem saber como contar carboidratos, fica bem difícil saber quantos carboidratos está ingerindo por dia… 😉

Mas fique tranquilo, porque é muito fácil realizar essa tarefa!

A conta a se fazer é bem simples: basta olhar as informações nutricionais dos alimentos.

Lá você irá encontrar a quantidade de carboidratos e quantidade de fibras por porção.

Aí é só subtrair um do outro e você terá a quantidade de carboidratos líquidos que estará consumindo em cada porção do dado alimento.

Apesar de serem carboidratos, fibras devem ser descontas pelo simples fato de não serem digeridas pelo corpo humano, ou seja, “do jeito que entram, saem”, não devendo ser levadas em conta.

Ah, sei também que nem todos alimentos vêm com uma tabelinha de informação nutricional – ainda mais bicho e planta, não é mesmo?

Nestes casos, você pode usar soluções como o Fatsecret ou o Nutritiondata, que são sites que fornecem as informações nutricionais necessárias para todos os alimentos! E o melhor, tudo gratuitamente.

Mas, claro, lembre-se sempre de não se preocupar muito com isso, principalmente se não tiver muito peso a perder.

Ficar muito obcecado em contar carboidratos pode não ser muito psicologicamente saudável.

Nesse caso, você apenas vai querer focar em comer comida de verdade e com poucos carbs, mas nada de se preocupar muito com isso.

Para saber quais alimentos atendem esses requisitos, preparamos uma lista de alimentos permitidos na dieta low-carb – é só clicar no link para ter acesso grátis ao arquivo em pdf imediatamente.

Alternativamente, muitas pessoas acabam fazendo uma ciclagem de carboidratos (carb cycling), consumindo poucos carboidratos no dia a dia e muitos carbs nos dias de treino com peso – o que pode ser uma estratégia interessante se você já estiver mais próximo ao seu peso objetivo e/ou visando a hipertrofia muscular – sem deixar de colher os saudáveis benefícios do estilo de vida de comer comida de verdade.

Conclusão e Palavras Finais

Neste texto, nossa intenção foi ajudar a esclarecer o que exatamente é uma dieta low-carb.

Para isso, trouxemos um pouco da história dessas dietas, bem como algumas das principais vertentes praticadas.

Neste outro texto, abordamos em mais detalhes como iniciar uma dieta low-carb e respondemos às principais dúvidas que vemos surgirem em quem deseja incorporar esse tipo de alimentação em seu dia a dia.

E falando em dia a dia, preparamos uma lista de compras low-carb baseada na nossa alimentação para você.

E a sua alimentação, como é? Conte para a gente nos comentários!

Diva Osório, a coach de saúde que faz jejum intermitente há 12 anos

Lutando contra doenças autoimunes, ela encontrou o equilíbrio entre a alimentação e o exercício para frear o avanço das enfermidades

Dietas não foram feitas para dar certo. Funcionam por um tempo, a balança agradece, mas não há regime que dure eternamente, e quando acaba o período de privação, a tendência é engordar de novo. Para muita gente é sinônimo de fome, sofrimento, abstinência e renúncia.

Há 12 anos, a empresária e coach de saúde Diva Osório faz jejum intermitente, dieta paleo e cetogênica. O que para muitos é novidade, “dieta da moda”, ela vê como estilo de vida. Lutando contra doenças autoimunes (ela tem hipotiroidismo de hashimoto e vitiligo), Diva encontrou um equilíbrio entre a alimentação e o exercício físico para frear o avanço das enfermidades, estabilizar os níveis de gordura e controlar o próprio corpo.

Desde os 15 anos, Diva luta contra o próprio peso. Ela pulava de dieta em dieta tentando fazer as pazes com o corpo. “Vivia naquele ioiô, nunca conseguia me encontrar 100% na alimentação. Sofri com compulsão alimentar, tive que tomar remédio controlado”, conta. Ao se mudar para os Estados Unidos, teve aulas de nutrição na faculdade, mas não conseguiu identificar um estilo de alimentação que fosse sustentável a longo prazo.

MAIS SOBRE O ASSUNTO
Contra a corrente, avança a dieta com base em gorduras
Estudo recomenda: consuma mais gorduras e menos carboidratos e frutas
Dieta low carb. Benefícios e riscos de restringir os carboidratos
Crossfit exige muita força e técnica
Em 2005, Diva entrou em um desafio fitness, um boot camp, onde ficou imersa em exercícios e alimentação para perder gordura. Foi lá que encontrou livros sobre jejum e alimentação paleolítica — nada de alimentos industrializados, e, sim, os mais naturais possíveis. O nome da alimentação faz referência ao que os nossos ancestrais comiam. Carne e vegetais à vontade, muita água, e adeus às massas, grãos, carboidratos e açúcares. O jejum também é associado aos tempos das cavernas. Sem a oferta de alimentos da atualidade, era comum aos humanos da época passarem muitas horas sem comer.

Na mesma época, ela e o marido, Bernardo Camargo, conheceram o Crossfit, que foi criado pelo americano Greg Glassman. Com a passagem de volta para o Brasil marcada, os dois resolveram se especializar na modalidade. Bernardo trabalhava como personal trainer e fisioterapeuta e assim nasceu a BSB Crossfit, o primeiro box de Crossfit de Brasília em funcionamento no Setor de Mansões Dom Bosco, onde o casal vive.

Hoje, aos 42 anos, Diva considera que atingiu um equilíbrio. Adepta dos jejuns, atualmente faz cerca de duas refeições por dia, às 11h e às 16h. Algumas vezes, fica até 24h sem mastigar, mas sem sofrimento — come quando sente fome, quando o corpo pede, e aprendeu a distinguir a vontade da necessidade.

“O jejum é natural ao ser humano. Passamos por períodos de alimentação e privação. Com essa ampla disponibilidade de comida que temos hoje, estamos constantemente nos alimentando. Quando mudei a minha alimentação, percebi que a única forma de controlar o nosso relacionamento com a comida é adquirir um estilo de vida que seja sustentável”, conta.

Ela lembra que no início passava 12h sem comer, mas o corpo foi se acostumando e hoje faz, no mínimo, 16h de jejum. “Me alimento até estar satisfeita. Não para passar tempo ou quando estou entediada, feliz, chateada ou cheia de problemas. Eu como por necessidade, porque preciso me abastecer. Quando a gente aprende a fazer essa distinção, o jejum acontece naturalmente”, explica.

Junto à alimentação paleo e os jejuns, Diva faz também a dieta cetogênica. A ideia é estimular a cetose, o estado em que o corpo produz cetonas e usa a gordura como fonte de energia, em vez da glicose, que é o combustível mais comum atualmente. Por isso, Diva ingere pouquíssimos carboidratos e regula também as frutas: só coco e abacate entram no dia a dia.

“Nunca fui muito de arroz, macarrão, batatas. Comia porque achava que precisava, tipo o clássico frango com batata doce, uma combinação horrorosa e sem gosto”, explica. Ela também fica de olho na glicose, fazendo testes regulares, para evitar elevações e entender como é a resposta glicêmica aos alimentos que consome.

Vida social
Apesar de ter uma relação com a alimentação baseada apenas na necessidade, Diva vive em uma sociedade que gira ao redor da comida. Todos os eventos sociais têm docinhos, salgadinhos, pizza, pão de queijo… Mas nada mexe muito com seu coração, e ela prefere, na maioria das vezes, evitar exceções.

“Eu sei que quando eu comer, vai ser mais do que eu preciso. Aprendi a decidir quando vale a pena. Não é uma vida privativa, que eu nunca mais vou comer um docinho, mas é saber que, para mim, um pedaço é demais e mil não serão suficientes. Já fiquei quase um ano sem consumir nada de açúcar”, explica. Ela também não liga para o que vão dizer quando ela for a um evento social e não comer nada. E se consome algo fora do normal, logo segue seu estilo, sem compensações pelas calorias adquiridas.

Por enxergarem seu compromisso com a alimentação e a falta de sofrimento, os dois filhos de Diva, Davi, 8 anos, e Lucas, 5 anos, curtem se alimentar de maneira saudável. “O mais velho ama kefir, kombucha, vinagre de maçã, salada, azeite e bolo com açúcar mascavo e farinha de coco”, diz.

Leia também: Farinha seca barriga reclame aqui

Diva Osório, a coach de saúde que faz jejum intermitente há 12 anos
Abrir em Tela Cheia

Crossfit
Por morar na mesma propriedade onde está instalado o box da BSB Crossfit, Diva tem acesso fácil aos exercícios e treina todos os dias. Ela explica que a atividade física é essencial para um estilo de vida saudável, mas que o Crossfit é uma escolha pessoal. “É uma paixão, eu gosto muito da intensidade, do desafio, de fazer algo diferente todos os dias. O movimento é essencial na vida”, diz.

Leia também: como fazer Jejum Intermitente

E quando ela viaja, nada de chutar o balde. A rotina segue, nem que seja fazendo agachamentos e flexões no quarto de hotel. A empresária explica: “esse estilo de vida só funciona quando se entende o que ele está pedindo”. A meditação ajuda muito no processo. Todos os dias, reserva ao menos 20 minutos para a prática.

Leia também: Kifina reclame aqui

Há dois anos, após o pedido de amigas, ela divide sua rotina no Instagram. “Sempre me pediam opinião e dicas, então passei a postar as minhas receitas, os treinos e o que eu como. Recebo muitas perguntas. Acho que as pessoas complicam o simples. A vida saudável precisa ser fácil de ser seguida. Às vezes a resposta está na simplicidade.”

Leia também: Phytophen reclame aqui

Remédios naturais para emagrecer: veja como as ervas podem te ajudar

Existem várias ervas que podem ser utilizadas no tratamento de perda de peso!
medicinais são excelentes aliadas na redução de peso? | Fotomontagem: Shutterstock e Lucas Rocha
O uso de ervas com propriedades medicinais é comum no tratamento de males como gripes, febres, dores de estômago, entre outros. Mas sabia que além dos benefícios no combate ao mal-estar, elas também são ótimos remédios naturais para emagrecer? Isso mesmo! O boldo, a cavalinha e outros conhecidos possuem propriedades que bloqueiam o acúmulo de gordura pelo organismo, dão mais disposição e folego para que você possa transformar o seu corpo de forma tranquila e natural!

Leia também: Kifina é bom

Os chás que ajudam a emagrecer podem ser preparados de duas maneiras:

DECOCÇÃO: lave as ervas e coloque em uma panela. Acrescente a água pedida (em temperatura ambiente). Em seguida, leve a panela ao fogo e deixe ferver por 5 a 10 minutos, ou pelo tempo descrito na receita. Desligue o fogo e espere amornar. Coe e adoce.
INFUSÃO: ferva a quantidade de água pedida na receita. Desligue o fogo e acrescente as ervas lavadas. Tampe. Deixe descansar por aproximadamente 15 minutos. Depois que o chá estiver morno, coe e adoce.
Para que você aproveite todos os benefícios dos chás da melhor maneira possível, esteja sempre de olho aos seus ingredientes! A cafeína em altas quantidades, por exemplo, não deve ser consumida por grávidas, crianças, pessoas com problemas de estômago, hipertiroidismo, doenças renais ou cardiovasculares. E lembre-se: manter uma alimentação balanceada e a prática de exercícios regular também auxilia na perda de peso! Confira na galeria 5 chás que vão ajudar você a eliminar pontos na balança:

Leia também: Remédios caseiros para emagrecer

Foto: Shutterstock e Lucas Rocha
1/5
Chás coloridos
Além das ervas citadas na galeria, existe uma conhecida e queridinha das dietas, que pode para preparar 4 chás diferentes: a camellia sinensis, que dá origem aos chás verde, o preto, o branco e o vermelho. As diferenças entre eles se dão em razão de suas condições de cultivo, coleta, preparação de receita e acondicionamento das folhas. Conheça abaixo cada um dos chás e veja como prepará-los:

Leia também: Phytophen é bom

CHÁ VERDE: um grande aliado na prevenção do câncer, ele acelera nosso metabolismo, o que permite queimar gorduras mais rapidamente e melhorar o processo de digestão. É altamente diurético e ajuda a retardar a absorção do mau colesterol. Para fazê-lo, em uma panela, aqueça 1 litro de água, em fogo médio. Assim que surgirem as primeiras bolhas, desligue o fogo, acrescente 2 colheres (sopa) da erva e abafe de 2 a 3 minutos. Coe e beba entre 3 a 6 xícaras (chá) por dia.


Leia também: Farinha seca barriga é bom
CHÁ BRANCO: como passa por menos processos, este chá conserva melhor as suas propriedades, possuindo mais antioxidantes que além de emagrecerem, retardam o processo de envelhecimento! Prepare o chá em fogo médio, aquecendo 1 litro de água. Antes de surgirem as primeiras bolhas, desligue o fogo e acrescente 2 colheres (sopa) da erva. Deixe em infusão durante 5 minutos. Coe e beba quente ou frio (até 24 horas após o preparado), entre 3 a 6 xícaras (chá) por dia.
CHÁ PRETO: um chá completo em benefícios. Ela é hipoglicemica, anti-obesidade, anticolesterol, anticancerígenas e rejuvenescedora de todo o organismo! Se ingerido após as refeições, auxilia no controle da absorção de gorduras e açúcares. Coloque 1 litro de água em fogo médio e assim que começar a ferver, desligue. Coloque 2 colheres (sopa) da erva e deixe em infusão entre 2 a 3 minutos. Coe e beba 1 xícara (chá) após o café-da-manhã, o almoço e o jantar.
CHÁ VERMELHO: a bebida variável do chá verde tem propriedades emagrecedoras e purificantes. Acelera o metabolismo do fígado, favorece a redução do colesterol, é depurativo e desintoxicante. O chá também é um excelente antidepressivo! Aqueça 1 litro de água em uma panela, em fogo médio. Quando começar a ferver, desligue e junte 2 colheres (sopa) da erva. Deixe em infusão durante 2 a 3 minutos. Coe e beba entre 3 a 6 xícaras (chá) por dia.

Emagreça 3kg Por Semana Tomando Somente Chás

Que está bebida tem valor medicinal não resta dúvidas, não é de hoje que os cientistas pesquisam as propriedades dos chás. Mas, você sabia que um determinado chá tem o poder de enxugar 3kgs por semana sem que você tenha que fazer nada além de beber o dito cujo?

Pois é, se você está em processo de emagrecimento e quer potencializar a redução das suas medidas o mais rápido possível, então fique aqui com a gente nesta matéria e leia tudo até o final para descobrir que chá é esse e como ele vai fazer com que o seu corpo perda todos os tecidos adiposos em um curto espaço de tempo.

Clique Aqui Para Descobrir O Melhor Chá Natural Para Emagrecer

Afinal de contas, como funciona este chá que seca 3kgs por semana:
Ele é muito conhecido na culinária tanto doce quanto salgada e é uma especiaria muito valorizada na Índia… O gengibre é sem dúvidas uma raiz versátil e muito gostosa, mas é preciso tomar um certo cuidado no manuseio dela, pois se colocar muito gengibre na sua comida ou bebida, poderá ficar muito forte e picante!

No entanto, de acordo com especialistas, o gengibre é uma ótima maneira de eliminar as gorduras localizadas, isso porque ele vai atuar no metabolismo a fim de potencializar o trabalho que ele realiza, eliminando as calorias de uma maneira muito rápida e eficiente.

Clique Aqui Para Descobrir O Melhor Chá Natural Para Emagrecer

Para quem bebe o chá de gengibre, é aconselhável tomar 2 vezes ao dia se a pessoa quiser emagrecer muito, assim como os 3kg por semana conforme estamos falando aqui o Terapia do Chá.

Leia também: Phytophen reclame aqui

O Chá de gengibre tem muitos benefícios para quem quer remodelar a silhueta, por isso mesmo, relacionamos aqui para você uma lista que irá te deixar de queixo caído com tantas vantagens que o chá de gengibre proporciona.

Leia também: Kifina Anvisa

Clique Aqui Para Descobrir O Melhor Chá Natural Para Emagrecer

Veja Aqui Quais São Benefícios do Chá de Gengibre:

Leia também: Kombucha emagrece

Acelera o metabolismo fazendo com que a pessoa emagreça rápido.
O chá de gengibre também ajuda a curar gripes e resfriados.
Ajuda a aumentar a autoestima, pois a pessoa estará mais feliz com o corpo.
O chá de gengibre corta as toxinas estocadas no organismo.
Derrete as gorduras localizadas e todo o tecido adiposo da pessoa.
O chá de gengibre emagrece até 3kgs por semana.
Cura tosses, inflamações e todos os sintomas de doenças respiratórias.
O gengibre ajuda a aquecer nos dias de frio quando usados em chás e sopas.
Clique Aqui Para Descobrir O Melhor Chá Natural Para Emagrecer

Para quem é indicado o chá de gengibre?
O chá de gengibre é indicado para todas as pessoas que querem perder peso rapidamente sem ter que se matar na academia. Mas, vale lembrar que o gengibre, assim como o chá de piteira e outras especiarias podem ser um problema para quem está grávida e por isso que deve sempre ser perguntado para o seu médico antes de tomar em caso de gestação ou amamentação.

Tem efeitos colaterais o chá de gengibre?
A princípio não, todas as pessoas podem tomar o chá de gengibre, exceto as gestantes que precisam ter orientação de seus médicos previamente. Mas, se o chá de gengibre for tomado em excesso poderá provocar enjoos e vômitos. Por isso que é sempre bom tomar a dose recomendada de apenas 2 vezes ao dia.

Onde posso comprar o chá de gengibre e quanto custa?
Você pode comprar o chá de gengibre no saquinho, seco e refinado e também pode comprar em cápsulas. Pode também ser comprado o próprio gengibre in natura nos mercados para fazer o chá.

Os preços vão depender do estabelecimento, mas no geral é muito barato e acessível.

Clique Aqui Para Descobrir O Melhor Chá Natural Para Emagrecer

Depoimentos de quem já emagreceu com o Chá de Gengibre:

“Eu não sabia que ele ia me fazer tão bem. Eu comecei a tomar com muito receio de não conseguir emagrecer, mas como a minha irmã disse pra eu fazer direito e ter fé, eu fiz a dieta até o final e pelo o incrível que pareça, eu perdi 3kgs por semana tomando somente chá de gengibre. Foi a melhor coisa que eu fiz da minha vida. No total eu perdi 20kgs e hoje eu me sinto uma nova mulher”, garante Letícia Machado, São Paulo.

“Eu perdi 10 kgs tomando chá de gengibre e praticando atividades físicas. Meu metabolismo acelerou muito e eu consegui eliminar todas as calorias que me incomodavam. Hoje eu tenho plena certeza de que o chá de gengibre mudou a minha vida”, Jeferson Antunes, Rio Grande do Sul.

Clique Aqui Para Descobrir O Melhor Chá Natural Para Emagrecer

Outros chá que não são para tomar com o objetivo de emagrecer mas que são bons para a saúde no geral: chá mate, o chá de camomila e chá de erva cidreira. Leia sobre eles que você irá gostar se nunca ouviu falar.

4 DÚVIDAS QUE TODOS TÊM SOBRE O PROCESSO DE EMAGRECIMENTO SAUDÁVEL

Para muitos, o corpo magro pode parecer uma meta impossível, já que passam grande parte de suas vidas lutando contra a obesidade e não conseguem vencê-la.

O que essas pessoas precisam saber é que todo mundo pode ter o seu corpo magro, basta respeitar o próprio organismo e entender qual é o seu peso adequado.

Além da questão estética, que acaba sendo um das grandes motivos dessa busca, os ganhos na saúde e até mesmo na disposição são os principais aliados do emagrecimento saudável.

O processo de emagrecimento para quem está realmente acima do peso carrega uma série de mitos e dúvidas e, muitas vezes, são as dúvidas que atrapalham o andamento desse objetivo.

Separamos aqui quatro dúvidas sobre como alcançar o corpo magro e falaremos um pouco sobre elas. Veja se você se identifica com alguma — ou, quem sabe, com todas!

#1. É PRECISO CORTAR ALGUM ALIMENTO DEFINITIVAMENTE?
A primeira coisa que vem à cabeça quando pensamos em emagrecer é que vamos ter que esquecer de vez aquelas comidas gostosas que não queremos viver sem. Logicamente, dependendo do quanto se come determinado alimento calórico, a redução é essencial.

Porém, é preciso lembrar que um método de emagrecimento saudável como o nosso, não é um dieta. Por isso, as pessoas não precisam se privar daquilo que gostam, apenas equilibrar o consumo com diferentes tipos de alimento. Esse equilíbrio é o que vai gerar o emagrecimento, como uma consequência natural.

#2. DEVO ESTABELECER METAS PARA ALCANÇAR O CORPO MAGRO?
Outra dúvida de quem quer emagrecer é sobre criar ou não uma meta, com peso adequado, índice de massa corpórea (IMC), dentre outras características que podem ser mensuradas.

Acreditamos em um processo natural, mas que envolva também um grau elevado de consciência sobre onde o indivíduo está e onde ele quer chegar. Há pessoas, por exemplo, que têm pânico de balança e fogem de fotografias. Por isso, trabalhamos com o exercício da autoimagem, que consiste em uma representação visual do objetivo de corpo magro que a pessoa deseja alcançar.

Ter uma meta concreta, passível de ser observada e monitorada progressivamente, é um fator motivacional que dá mais sentido ao processo de emagrecimento, além de reforçar a cada dia o objetivo que se almeja alcançar, pois não há emagrecimento duradouro sem um trabalho psicológico.

#3. DÁ PARA EMAGRECER SEM SOFRER?
Como existem muitos regimes restritivos por aí, o emagrecimento ficou associado ao sofrimento e à privação. De fato, fazer a dieta da sopa, da proteína ou da lua é mesmo um sofrimento, pois ninguém gosta de comer sempre a mesma coisa e, em muitos desses casos, passar fome.

No entanto, a reabilitação alimentar é diferente de tudo o que se conhece, até mesmo da reeducação alimentar, pois não propõe mudanças drásticas na alimentação diária.

Sem métodos radicais, e sem sofrer, a reabilitação alimentar é uma abordagem focada em mudanças duradouras e de longo prazo.

Por isso, qualquer hábito que não possa permanecer na vida da pessoa, como medicamentos, shakes e privações, não combina com a nossa visão sobre saúde.

#4. EXISTE UM MÉTODO GARANTIDO PARA ATINGIR O CORPO MAGRO?
Finalmente, vamos falar sobre aquela dúvida que faz alguns desistirem antes mesmo de começarem.

Pensamentos como “é impossível ser magro”, “nem vou começar porque sei que não consigo emagrecer, já tentei antes” ou “melhor aceitar que meu corpo vai ficar assim pra sempre” são resultado de ideias distorcidas. Essas são algumas das faces da famosa resistência.

Tudo isso é baseado em crenças repetidas muitas e muitas vezes e que acabaram se tornando verdades absolutas para o senso comum, como aquela de que a pessoa que tem “facilidade” em engordar e por isso nunca ficará magra.

Leia também: Phytophen é bom

No entanto, o Método Tático de Reabilitação Alimentar está aí para desmontar essas crenças. Os inúmeros casos que nós temos como exemplo são a prova de que nada disso é verdade.

Leia também: Dietas de emergência

Nosso programa respeita os hábitos de cada um, bem como sua filosofia de vida e organismo. Por isso, ele não propõe mudanças padronizadas para todos, apenas equilibra aquilo que está fora de controle, fazendo recomendações e direcionando o aluno com aulas e materiais de apoio.

Acreditamos que cada um deve aprender a reconhecer os sinais do próprio corpo e, a partir do momento que esses sinais forem respeitados, o emagrecimento ocorrerá de maneira natural.

Leia também: Kifina é bom

Quer calcular a sua Meta? Veja se você está precisando emagrecer por meio da nossa calculadora! Aproveite e se inscreva na nossa newsletter e fique por dentro de todas as nossas notícias e dicas.

Excesso de peso e obesidade: as causas da ereção macia

Hoje, vamos nos debruçar sobre um grande problema da nossa sociedade moderna, com excesso de peso. E especialmente seus efeitos, especialmente nas causas da ereção suave.

Neste artigo, vamos discutir a ligação entre o conteúdo de gordura corporal e problemas de ereção .

Sim, o mito de homens acima do peso sendo bons tiros pode não ser tão verdadeiro.

Vou mostrar a você que isso pode até ser o oposto e que o excesso de peso pode levar a ” ereções suaves “. Veja impotência. E acima de tudo, como agir e assumir o controle de si mesmo.

O efeito do excesso de peso na ereção

Isso pode parecer estranho no início, mas o excesso de peso tem um impacto negativo na função erétil e pode até levar à impotência masculina.

Estar acima do peso e mais ainda em casos de obesidade (que está acima do peso em um nível crítico) é sinônimo de muitos problemas de saúde: 

  • diabetes
  • Doenças cardiovasculares
  • Derrame
  • Apneia do sono
  • A lista ainda é longa …

Na verdade, uma grande massa gorda irá perturbar completamente o seu corpo e as doenças mencionadas acima são apenas os sintomas deste distúrbio.

Existe um fenômeno natural primordial, é a homeostase. É sobre a capacidade do corpo de manter o equilíbrio perfeito do corpo apesar de todos os fatores externos.

Especificamente, mantendo sua temperatura, equilíbrio ácido-base, seu nível de açúcar no sangue, seus níveis hormonais …

Este princípio também se aplica aos níveis de testosterona e a gordura desempenha um papel importante.

Eu também convido vocês a conhecer o estimulante sexual chamado Tauron.

Algumas definições necessárias:

Eu não vou entrar nos detalhes do processo fisiológico, mas, para simplificar, existem 3 termos (finalmente 4) para entender:

  1. Testosterona : Hormônio masculino por excelência, aquele que você já conhece certamente.
  2. Aromatase : É uma enzima cuja ação é a produção de estrogênio. Em particular, a aromatase é responsável pela conversão da testosterona em estradiol.
  3. O termo bônus = estrogênio : hormônio sexual feminino que de passagem promove a ingestão de gordura.
  4. Estradiol E2 : hormônio feminino, normalmente presente em quantidades muito pequenas em humanos. O que é necessário no homem (mas em pequena quantidade) e benéfico para o bom funcionamento do cérebro e da função sexual.

O processo que interrompe suas ereções:

Agora vamos ao ponto do assunto. O excesso de peso simplesmente diminuirá seu nível de testosterona. E portanto, interrompa sua função sexual.

  • Caso você esteja com níveis de gordura acima do normal, seu nível de aromatase também será maior.
  • Com um alto nível de aromatase, sua produção de Estradiol também aumentará.
  • Se você tem um nível alto de estradiol, sua produção de testosterona cairá proporcionalmente.

De fato, em um processo normal, a aromatase transforma a testosterona em estradiol. Ele irá, portanto, interpretar seus altos níveis de estradiol como um excedente de testosterona. Como resultado, você irá produzir menos testosterona.

E não acabou, porque com os seus níveis hormonais masculinos em declínio, você entra num círculo vicioso: 

  • Caso você esteja com níveis de gordura acima do normal, seu nível de aromatase também será maior.
  • Com um alto nível de aromatase, sua produção de Estradiol também aumentará.
  • Se você tem um nível alto de estradiol, sua produção de testosterona cairá proporcionalmente.

De fato, em um processo normal, a aromatase transforma a testosterona em estradiol. Ele irá, portanto, interpretar seus altos níveis de estradiol como um excedente de testosterona. Como resultado, você irá produzir menos testosterona.

E não acabou, porque com os seus níveis hormonais masculinos em declínio, você entra num círculo vicioso: 

O terrível círculo  vicioso

Menos testosterona = Difícil de tomar músculo ou manter sua massa magra (músculo) = Ganho de peso = Agravamento do fenômeno.

Em conclusão, ser muito gordo reduz seus níveis de testosterona e afeta diretamente sua capacidade sexual.

Agora que você entende a ligação entre problemas de ereção e excesso de peso (pelo menos eu espero que eu tenha de dizer), vamos concentrar-nos na compreensão dos excesso de peso, suas causas e como tratá-la .

Conheça os 10 melhores cremes para celulite

Grande preocupação de muitas mulheres, as celulites causam incômodos em muitas delas, evitando que o corpo fique mais “durinho”, com menor flacidez, e trazendo aquelas indesejadas marquinhas onduladas.

De maneira simples, a celulite nada mais é do que um acúmulo de gordura que se localiza na superfície da pele. Esse fenômeno é muito comum em todas as idades, sendo ainda mais presente quando a genética da mulher facilita a sua ocorrência.

Veja também – Drenagem linfática para celulite: será que este tratamento elimina o problema?

Leia também: Skin renov

Como não podemos lutar contra a genética, reduzir as celulites através de cremes pode ser uma boa solução para amenizar o aspecto que elas causam na pele, juntamente, é claro, com uma melhor alimentação, com uma menor ingestão de açúcares e gorduras e com exercícios físicos.

Nesse sentido, os cremes para celulite serão capazes de diminuir a presença visual da celulite na pele, tornando-a menos aparente, uma vez que eles trabalham na estimulação da circulação de sangue na superfície da pele.

Abaixo você confere uma lista dos 10 melhores cremes para celulite mais facilmente encontrados no Brasil, com ótimo custo-benefício. Saiba tudo sobre cada um deles e escolha o melhor creme para celulite que mais combina com você.

Assuntos [Mostrar]

1. Bye-Bye Celulite (Nivea)

Muito famoso entre os cremes anticelulite, o Bye-Bye Celulite da Nivea se mostra bastante interessante por atuar diretamente nas células de gordura. Dessa maneira, o creme consegue aumentar a elasticidade da pele, deixando-a mais firme, prevenindo o aparecimento de novas celulites e amenizando a intensidade visual delas na pele.

Veja também – Celulite infecciosa: conheça as causas e como tratar

2. Cellu-Sculp (Avon)

Voltado para a melhor circulação do sangue na superfície da pele, o Cellu-Sculp é um creme que ainda atua na ativação da drenagem linfática, na hidratação da pele e na eliminação de gordura. Em sua fórmula estão presentes nutrientes como malva, ginko-biloba, ginseng e cafeína.

3. PerfectSlim (L’Oreal)

Com função bastante interessante, o creme anticelulite da L’oreal conta com lipo-redutores em sua fórmula, que ajudam na queima dos ácidos graxos, transformando gordura em energia. Além de trabalhar melhorando a aparência da pele e diminuindo a celulite, o PerfectSlim ainda previne a formação de novas celulites, uma vez que diminui a transformação de açúcares em gordura, auxiliando na drenagem linfática.

Leia também: Cremes firmadores

4. Gel Anticelulite Amêndoa (L’Occitaine)

Juntando hidratante e creme anticelulites, a L’occitaine investiu nas amêndoas e nos flavonoides contidos na fórmula desse creme, que atua acabando com a inflamação dos tecidos, diminuindo a incidência de celulites e tornando-as menos visíveis na pele.

5. Cellu Reverse (Elancyl)

Com o objetivo de melhorar a firmeza da pele, esse creme atua contra o armazenamento de gordura localizada. Mais voltado para as celulites abdominais, a Elancyl acerta com esse produto.

6. Body Active (O Boticário)

Com o foco na quebra das células de gordura da superfície da pele para diminuir as celulites, o Body Active do O Boticário utiliza a cafeína em sua fórmula, que ainda tem função hidratante.

7. Celluli Laser SlimCode (Biotherm)

Voltado principalmente para a prevenção do aparecimento de novas celulites, esse creme é feito com ingredientes naturais, como chá verde, lótus e erva mate, atuando contra o acúmulo da gordura na superfície da pele, que forma a celulite. Ele acelera a queima de gordura através da enzima AMPK contida em sua fórmula.

8. Bio-V Vegetal IntensiveBodySlim (Vitaderm)

Com foco na queima de gordura, ele trabalha tanto na diminuição quanto na prevenção de celulites e, para isso, conta com a ajuda do extrato de guaraná.

9. Celludestok (Vichy)

Com o foco na suavização das celulites na pele, esse creme ajuda principalmente na quebra de gordura superficial, além de servir como um poderoso hidratante.

10. Gel Redutor de Celulite com DMAE (Bio-Médicin)

Por conter uma substância que tem efeito Botox (DMAE), o gel redutor da Bio-Medicin atua na garantia de uma pele firme e lisa, diminuindo as celulites e, ainda, combatendo e diminuindo a flacidez e a gordura localizada.

E você? Já usou esses ou algum outro creme para celulite? Compartilhe a sua opinião sobre qual é o melhor creme para celulite

Diga sim! O sexo é um ótimo exercício!

Sob o edredom, as possibilidades são infinitas! Deixe espaço para sua imaginação, é divertido e também trabalha músculos, coração e pulmões!

Quando pensamos em exercícios físicos, pensamos em esqui de fundo ou corrida. O remador ou os pesos têm menos frequência em mente e, para os mais intensos, meias-maratonas, cursos de obstáculos ou CrossFit . Assim, cada uma dessas atividades tem seus benefícios para a saúde. A atividade física supera todos eles em termos de benefícios corporais: sexo. Faça amor. É isso, temos diante de nós o auge da atividade física.

O coração tem todos os motivos para apreciar o amor físico, é um parceiro forte para se manter em forma. A pesquisa está aí para provar isso: os riscos cardiovasculares diminuem com a frequência das relações sexuais.

Os benefícios de fazer amor

Do ponto de vista médico, os efeitos positivos sobre o corpo são os mesmos que os do esporte: aumento da freqüência cardíaca, sudorese e solicitação de muitos músculos para manter a atividade física. Os movimentos envolvem várias áreas do corpo: a pélvis, as coxas, as nádegas, mas também os braços, o pescoço e o tórax.

Bom sexo também custa cerca de 200 calorias, o que equivale a 20 minutos de corrida!

Conheça o melhor estimulante masculino do mercado, seu nome é Big Size.

Qual posição adotar?

Naturalmente, as posições adotadas influenciam diretamente os esforços. O cachorrinho, por exemplo, requer um pouco mais de músculos que a Amazônia. O parceiro em ação irá gastar algumas calorias extras durante esses minutos, quando ele executa seus movimentos. Os glúteos e abdominais são grandes músculos, então eles exigem mais energia!

Estudos da Universidade de Dublin mostram que os fatores de risco cardiovascular diminuem com a frequência da relação sexual, em proporções de cerca de 50%. Então, o sexo diminui o risco de ataque cardíaco. O que é bom para o moral é bom para o coração! Estas são outras boas razões para fazer amor!

A atividade sexual desencadeia círculos virtuosos. Melhora a qualidade do sono, reduz o estresse e os estados depressivos, sem falar da ansiedade, fator de risco, que regride através da secreção de endorfinas durante o ato de amar. Se você quiser saber mais, leia estes 6 segredos para desfrutar de uma boa saúde sexual .

Por outro lado, é óbvio que as pessoas cardíacas devem, como acontece com qualquer atividade física, confirmar com seu médico se há alguma contra-indicação.

Viva o sexo!

Finalmente, depois de um estudo de 3500 pessoas de 18 a 102 anos, o Professor David Weeks no hospital Edinburgh conclui os seus trabalhos por uma equação mais otimista: três relações sexuais por semana permitem a aparecer 10 anos mais novo!

Aqui estão várias razões para ficar debaixo das cobertas e ficar ativo com o seu parceiro! Todos ganham, sua saúde mental e sua saúde física, tudo em prazer! O que é melhor?

Como precaução, de acordo com as suas necessidades ou se tiver dúvidas, fale com o seu farmacêutico .

E uma coisa que sempre é subestimada no casal é a conversa, as vezes tudo pode ser resolvido com as duas pessoas falando tudo que elas pensam sobre sexo e o que elas podem juntas se ajudar.

10 maneiras infalíveis de suavizar as rugas da testa

10 maneiras infalíveis de suavizar as rugas da testa

Da acupuntura e ginástica facial aos peelings químicos e botox, existem vários métodos para suavizar os diferentes níveis de marcas de expressão

Quando se cruza a idade de 30 anos, é normal começar a aparecer os primeiros sinais de expressão. É nessa idade que a pele se torna mais fina, e portanto tem mais dificuldade em reter a umidade suficiente para manter sua elasticidade. Esse processo está ligado a fatores genéticos (pessoas de pele clara têm mais propensão à formação de rugas), à exposição solar e também ao tipo de sua pele, pois pessoas de pele oleosa costumam ter menos rugas que pessoas de pele seca da mesma idade.

A camada subcutânea da pele, onde existe uma camada de gordura, com o passar dos anos “desincha” e a derme ao longo do tempo perde substâncias como colágeno e elastina. Com a perda dessas estruturas, os sinais aparecem na epiderme, onde aparecem as rugas, que incomodam a maioria das mulheres, até as mais jovens

Graças aos avanços da ciência, é possível suavizá-las com ajuda de cremes e tratamentos estéticos. A esteticista Gisele Stout da clínica Los Angeles, indica tratamentos que comprovadamente suavizam essas indesejáveis linhas de expressão e a especialista em ginástica facial e cosmética natural Isabel Thain dá dicas de soluções caseiras:

Até os 30
Se você tem até 30 anos e está vendo as primeiras rugas aparecerem, confira algumas medidas preventivas e reativas. As rugas aparecem devido a diversos fatores, incluindo o genético, por isso o ideal é consultar uma dermatologista para ver qual tratamento se aplica a cada caso. As soluções mais indicadas para as mulheres de até 30 anos são:

1. Cremes antirrugas e protetor solar

Para livrar-se de rugas finas e prevenir novas, mais importante que usar um creme para sua idade à noite é usar filtro-solar de dia. O fator mínimo é 30 e ele deve ser reaplicado uma ou duas vezes por dia. “Procure criar hábitos, como acordar e passar creme e protetor, retocar na hora do almoço e assim por diante”, indica Gisele. À noite, use um demaquiante específico, óleo ou sabonete para bebê retirando toda a maquiagem e depois passe seu creme anti-idade.

2. Ginástica facial

Nosso rosto também tem músculos que, se exercitados, dão mais tonicidade à pele do rosto. Segundo a especialista em ginástica facial Isabel Thain, os exercícios são um bom auxílio, complementam tratamentos e atenuam até as marcas mais fundas. “Algumas pessoas confundem ginástica facial com caretas. Não é bem assim, ao fazer caretas ou os exercícios de forma errada corre-se o risco de trabalhar muito uma área em detrimento de outra, causando um efeito contrário”, adverte.

Leia também: Skin renov Anvisa

Isabel sugere três exercícios diários que comtemplam o rosto de forma harmoniosa:

Faça um bico redondo estendendo os músculos. Conte até 15. Volte devagar relaxando e contando até 7. Repita 5 vezes.
Esprema os olhos e conte até 10. Volte devagar contando até 7. Repita 5 vezes.
Force um “sorriso de Monalisa”, sem mostrar os dentes, conte até 10. Volte contando até 7. Repita 5 vezes.
3. Patches antirrugas

Segundo o fabricante, eles têm microbaterias que estimulam as fibras elásticas da pele. Basta colá-los embaixo ou ao lado dos olhos, na testa, ao lado da boca e esperar. No caso da testa, é preferível posicioná-lo no centro da testa ou acima das sobrancelhas, lugares nos quais as rugas costumam aparecer.

A pele absorve o patch, desinchando-o e o deixando com a espessura de um papel. O efeito é instantâneo, mas não é duradouro. “Como consta na embalagem, eles são ideais para um dia de festa ou uma sessão de fotos”, frisa a esteticista Gisele Stout.

4. Acupuntura

Técnica milenar da medicina oriental, a acupuntura busca o equilíbrio geral do corpo-humano. Ela é usada também no combate às rugas por estimular a circulação sanguínea, aumentando assim a oxigenação da pele e por consequência a produção de colágeno e elastina. “Para suavizar as rugas da testa, fazemos a aplicação direta, geralmente entre as sobrancelhas na glabela – a chamada ruga de preocupação”, diz Gisele.

5. Estimulação Russa

A estimulação russa, técnica muito conhecida e muito utilizada pelas esteticistas, é uma espécie de ginástica passiva do rosto. As fibras musculares são trabalhadas por meio da eletroestimulação, os “choquinhos” que são produzidos pela máquina que fica em contato direto com a pele. O tratamento é eficaz segundo Gisele, principalmente para quem sofre também com flacidez. O resultado é um contorno facial mais definido. A máquina usada para a estimulação russa também auxilia na absorção de cremes para rugas, que conseguem ser absorvidos por camadas mais profundas da pele.

Depois dos 30
6. DMAE

A novidade de cremes anti-idade mais aclamada dos novos tempos se chama DMAE. De ação tensora e firmadora comprovada, promove um visível e instantâneo efeito lifting. Segundo Gisele, o creme causa uma contração muscular a curto e longo prazo, por isso o sucesso. Para manter os efeitos, o uso deve ser diário e contínuo.

Os cremes com DMAE costumam ter em sua composição vitamina E, que é antioxidante e combate a ação dos radicais livres. A composição costuma ser 8% DMAE e de 5 a 7% vitamina E. Especialistas recomendam guardar o produto na geladeira e, quando for viajar, carregá-lo em um recipiente térmico.

Segundo Gisele, esses procedimentos são recomendáveis principalmente em dias em que a temperatura ultrapassa os 30 grau Celsius. Os cremes com DMAE não devem ser usados por mulheres grávidas ou pessoas com hipersensibilidade à substância. Antes de usar qualquer medicamento, consulte sempre um médico.

7. Peeling químico

Nossa pele se renova completamente em ciclos de mais ou menos 7 anos. Naturalmente o corpo expele as células mortas e produz novas células diariamente. O peeling químico é uma intervenção para acelerar esse processo. “Removendo a pele morta, nós estimulamos a renovação celular. As rugas mais finas são visivelmente atenuadas, a pele fica mais viçosa”, explica a esteticista.

Os resultados são obtidos pela fórmula que leva ácidos específicos, para se livrar de rugas e de quebra de possíveis sardas ou manchas de sol, recomenda-se no mínimo 5 sessões. “Os resultados são perceptíveis desde a primeira sessão, mas dependendo da quantidade e profundidade das rugas, são necessárias mais sessões”, diz Gisele.

8. Carboxiterapia

Carboxiterapia é um tratamento estético que consiste na injeção de gás carbônico (CO2) para o nivelamento das camadas de pele. É usado para diminuir depressões na pele, como celulites ou rugas. “A diferença entre a carboxiterapia e o botox é que enquanto o primeiro ataca as rugas estáticas – de quando a face não está tensionada – a toxina butolínica paralisa a musculatura. De nenhuma forma um tratamento substitui o outro, mas a carboxiterapia é com certeza uma boa solução e mais barata”, diz.

Leia também: Creme para rugas bula

Os resultados são fantásticos, mas as sessões um tanto dolorosas, mas 100% seguras. O CO2 é introduzido por meio de uma agulha, o tecido da pele fica levemente deformado por alguns minutos, depois volta ao normal. Os resultados variam de acordo com cada pessoa, mas são recomendadas no mínimo 10 sessões, sendo que a partir da quarta já é possível notar uma boa evolução. Como o gás é produzido naturalmente pelo nosso corpo, não há risco de alergias.

9. Laser fracionado

O tratamento de rugas com laser tem como princípio ativo o colágeno. O laser faz microperfurações na pele para estimular a produção de colágeno e elastina, que suavizam as rugas. O tratamento pode ser feito no rosto todo ou apenas na testa, as sessões dependem da profundidade das rugas. Quanto mais agressivo o laser, mais caro. Este tratamento não é recomendado para peles bronzeadas.

10. Botox

Tão eficiente quanto polêmico, o botox consiste na injeção da toxina botulínica em pontos estratégicos do rosto. Ela tem o poder de paralisar os músculos da face. Seu efeito é instantâneo, mas não vitalício – o botox deve ser reaplicado de 6 em 6 meses.

Maquiagem para peles maduras

FOTO: THINKSTOCK

A escolha da maquiagem pode melhorar (ou piorar) a aparência das rugas. O uso exagerado de pó, por exemplo, não é recomendado. Confira 5 dicas da maquiadora Dulce Lütke, do Expert Beauty Center:

Uma gotinha de silicone na base: Você também pode optar por passar uma gotinha de forma homogênea em todo o rosto, isso ajuda a suavizar as rugas. A gotinha tem que ser mínima, para que o rosto não fique com aspecto muito oleoso.
Menos é mais: Segundo Dulce, quantidade não garante uma boa cobertura. Base, corretivo e pó – quanto mais leve melhor para as peles maduras.
Batom opaco: O batom oleoso/cremoso pode ficar nas ranhuras da boca, dando uma aparência não muito elegante. Por isso, opte pelos batons opacos de efeito matte.
Ilumine o centro dos lábios: A dica é utilizar um tom opaco mais escuro no contorno dos lábios com outro tom mais claro e perolado no centro. Atenção aos lápis delineadores e batons de tons diferentes, não é essa a ideia. O degrade deve ser sutil, natural.
Assuma sua idade: Para Dulce, essas dicas servem também para mulheres mais jovens. Além da idade, as rugas são herança genética. O importante na hora da maquiagem é ter bom senso e personalidade. Afinal de contas, marcas de expressão são marcas de pessoas com expressão facial.
Prevenir é melhor que remediar
O clichê é 100% verdadeiro no caso das rugas. Os anos de franzimento de testa e a negligência de protetor solar são os maiores vilões dessa história. Outras dicas da época de nossas avós também merecem ser levadas em conta, como a retirada total da maquiagem antes de se deitar, boas noites de sono, não abusar do álcool, não fumar, hidratar a pele e beber bastante água. As rugas são sinais que vão aparecer com o avançar da idade, não existe uma maneira de impedir o surgimento delas, mas bons hábitos ajudam a retardá-lo e bons tratamentos a suavizar essas marcas.